Publicado em 11 de junho de 2017 | 17:16
“Desconfiança, má vontade e atitudes traiçoeiras” de alguns teriam levado a renúncia do presidente do Assu
futebol-leonidas-neto-nao-e-mais-presidente-do-assu-alto-do-Rodrigues -prefeito-carnaubais-joao-camara-assu-macau-porto-do-mangue-areia-branca-mossoró-angicos-jucurutu-pendencias-parnamirim-macaiba-caicó-ipanguassu-itajá-currais-novos-santana-do-matos-natal-governo-do-estado-femurn-mp-emater-barragem-armando-ribeirto-rio-assu- ficha-suja-caixa-2-abelardo-rodrigues-filho-vereador

Em carta aberta, João Leônidas de Medeiros Neto agradece aos diretores que estiveram ao seu lado e enfrentaram junto com ele “a desconfiança e má vontade de boa parte daqueles que se julgam grandes homens da sociedade assuense”.

Na longa carta, com data de 10 de junho, o empresário informa os motivos de sua renúncia e fala sobre seu trabalho a frente da Associação Sportiva Sociedade Unida (ASSU):

Venho por meio desta carta, comunicar aos funcionários, associados, conselheiros, imprensa, e especialmente torcedores da Associação Sportiva Sociedade Unida minha renúncia ao cargo de presidente do clube.

Tomei essa decisão em caráter irrevogável e irretratável, dado a inúmeras dificuldades enfrentadas por todos nós, que no decorrer desses dois anos contribuíram direta ou indiretamente pra engrandecer o futebol Assuense.

Quando assumi o desafio de presidir o Camaleão do Vale, há dois anos convidei pessoas de minha confiança e de competência comprovada para administrar o Clube. Por sermos um grupo pequeno, unimos forças com outras correntes políticas de forma a criar um planejamento para os 48 meses seguintes.

Traçamos metas para todos os departamentos e conseguimos em 12 meses, avanços significativos em diversas áreas. Modernizamos o Marketing e a Comunicação, organizando receitas fundamentais e ampliando os canais de contato com o torcedor e com a imprensa, entre eles o site do Clube e as redes sociais que foram totalmente remodelados.

Profissionalizamos a área jurídica de forma voluntária para acompanhar as questões trabalhistas e tributárias, o que iria nos proteger de erros no decorrer da gestão. Promovemos mais eventos, além daqueles já tradicionais, de modo a movimentar a área social e gerar receitas.

Além dessas e de outras medidas, buscamos manter uma relação transparente com o nosso torcedor, para resgatar a identificação e o orgulho ferido depois de um ano terrível que foi rebaixamento em 2014.

Em alguns momentos, atingimos esse objetivo parcialmente, mas na maioria do tempo encontramos obstáculos enormes. Lutamos contra problemas antigos e atuais internos e externos, com todas as nossas forças.

Tive ao meu lado diretores íntegros e que enfrentaram, junto comigo, a desconfiança e má vontade de boa parte daqueles que se julgam grandes homens da sociedade Assuense. Por outro lado, percebi, ainda que tardiamente, as mesmas atitudes traiçoeiras que todo gestor enfrenta quando se dispõe ao que escolhi.

Gostaria de agradecer o apoio vindo da Prefeitura Municipal do Assú, FNF, LAD, patrocinadores, associados, e torcedores que entenderam nossa mensagem.

Agradeço principalmente aos funcionários, que mesmo com dificuldades e salários atrasados, e apesar disso trabalharam com dignidade para manter o Clube funcionando. Vi exemplos de entrega e desprendimento que levarei para toda a vida.

Espero que essa decisão engrandeça o Clube e que com a minha saída, aquelas pessoas que não ajudaram, ou mesmo que tentaram colocar obstáculos, se sintam confortáveis para finalmente ajudar – pelo bem do ASSU.

Espero um dia ver esse Camaleão moderno, e tenho certeza que isso só irá acontecer se nossa torcida e nossa sociedade estiverem sempre atentas e vigilantes em relação aos interesses do Clube