Publicado em 22 de julho de 2017 | 19:04
Delegado e ex-prefeito são investigados por desviar combustível em 2015
delegado-e-ex-prefeito-sao-investigados-desvio-gasolina-lama-nas-ruas-abelardo-rodrigues-filho-projeto-câmara- alto-do-rodrigues-prefeito-carnaubais-joao-camara-assu-macau-porto-do-mangue-areia-branca-mossoró-angicos-jucurutu-pendencias-parnamirim-macaiba-caicó-ipanguassu-itajá-currais-novos-santana-do-matos-natal-governo-do-estado-femurn-mp-emater-barragem-armando-ribeirto-rio-assu- ficha-suja-caixa-2-abelardo-rodrigues-filho-vereador-renan-melo-magnus-medeiros

O combustível deveria ser usado em viaturas policiais na cidade de Santana do Seridó.

A Polícia Civil começou a agir depois de uma denúncia anônima que dava conta de que o delegado Luiz Antônio Filho abastecia seu carro particular com combustível pago por um convênio da Prefeitura de Santana do Seridó com um posto de combustíveis da cidade, firmado através de licitação.  O convênio autorizava o posto de gasolina a abastecer os automóveis do Município, como ônibus, carros das repartições, tratores e quaisquer outros que fossem de propriedade da Prefeitura.
Segundo a delegada que apurou o caso, Karla Viviane, da Delegacia Especializada da Defesa do Patrimônio Público, um acordo realizado sem formalização legal entre o então prefeito, Adriano Gomes de Oliveira, e o delegado Luiz Antônio permitiu, a título de auxílio, que as viaturas policiais pudessem ser abastecidas no mesmo estabelecimento, sob custos da Prefeitura de Santana do Seridó. O fornecimento da gasolina era autorizado somente para as viaturas das polícias Civil e Militar. “Isso ficou bem claro nas investigações”, enfatiza a delegada.
Ocorre que, ainda de acordo com a delegada Karla Viviane, os combustíveis estavam sendo desviados para fins particulares. Luiz Antônio Filho estaria abastecendo o seu veículo no local. “Ele recebia todas as notas para autorização de combustível”, acrescenta.
“Quando ouvimos as testemunhas, elas disseram que o ex-prefeito também abastecia o seu veículo particular nas mesmas condições”, conta.
O G1 procurou a Delegacia-Geral de Polícia Civil, para saber quais providências serão adotadas em relação ao delegado investigado. O delegado-geral, Correia Júnior, informou que somente após ser oficiado vai se posicionar sobre o caso.
.
transito-seguro-detran-rn